5 de Novembro

Operações 6 de Nov de 2021 EN

Conheça a história por trás da máscara

"Lembrai, lembrai do cinco de novembro

A pólvora, a traição, o ardil

Não sei de uma razão para que a traição da pólvora

Seja algum dia esquecida."

Pouco depois da meia-noite do dia 5 de novembro de 1605, um pelotão de soldados da realeza invadiu o porão abaixo da Câmara dos Lordes, em uma parte do complexo das Casas do Parlamento em Londres. Na sala escura e úmida, os soldados notaram uma figura escondida atrás das vigas de madeira pela luz das tochas. Logo se tornou evidente que o homem ruivo com barba espanhola, Guy Fawkes, estava escondido na adega prestes a explodir a Câmara dos Lordes, onde o monarca, o Rei James I, abriria a sessão do Parlamento. Se ele não tivesse sido encontrado a tempo, os trinta e seis barris de pólvora escondidos atrás das estacas de madeira teriam explodido as Casas do Parlamento, destruindo o monarca e a elite política inglesa da época.

Em 24 de março de 1603, Elizabeth I morreu, e durante seu longo reinado, a Inglaterra se tornou uma das potências mais poderosas do mundo de hoje. Com a morte da 'rainha virgem', a dinastia Tudor morreu, e James, o infeliz filho de Mary Stuart, que havia sido executado por Elizabeth, sentou-se no trono da Inglaterra como o fundador da nova dinastia, a dinastia escocesa Stuart. O pai de Elizabeth I, Henrique VIII, um dos monarcas mais excêntricos da história inglesa, rompeu com Roma em 1531 em circunstâncias tumultuosas porque a Santa Sé recusou-se a concordar em anular seu casamento com sua primeira esposa, Catarina de Aragão.

Henrique, para se libertar da tutela do Vaticano, fundou a Igreja Anglicana independente da autoridade papal e se tornou o chefe da nova igreja. Mas as intenções de Henry ainda não eram suficientes para uma virada radical protestante, e foram necessários muitos anos de longas batalhas sangrentas, a fim de quebrar a resistência dos católicos.

Além disso, a filha de Henrique em seu primeiro casamento, que como Mary I sentou no trono da Inglaterra em 1553, tentou erradicar violentamente a "heresia" anglicana como uma católica fanática, e não foi por acaso que ela ganhou o apelido pouco lisonjeiro "sangrenta" de seus contemporâneos. Após a morte de Mary Isabel, que chegou ao trono em novembro de 1558 como filha de Henrique VIII, Ana Bolena esmagou as tentativas católicas de restauração com uma mão pesada. Durante seu longo reinado de 45 anos, ela usou a violência para ajudar o triunfo do protestantismo anglicano; os católicos principais foram removidos do tribunal ou forçados a se submeter, e os "papistas" foram fortemente multados, presos ou sentenciados à morte.

Anos depois, ao ocupar o trono, Elizabeth I viu a Igreja Católica como um inimigo político da Inglaterra, e este credo foi reforçado quando o Papa a excomungou em 1570 e o rei "mais católico" Filipe II da Espanha tentou invadir a nação da ilha em 1588. A comunidade católica não insignificante na Inglaterra, que havia sido submetida a severas perseguições, ficou, portanto, profundamente aliviada com a notícia da morte da Rainha e esperava que seu sucessor restabelecesse a paz religiosa.

No início, as expectativas crescentes da comunidade católica na Inglaterra em relação ao novo monarca não pareciam infundadas. Embora James I fosse ele mesmo um protestante, sua mãe, Mary Stuart, que havia sido executada por Elizabeth I, era reverenciada pela Igreja Romana como mártir católico por sua recusa em renunciar à sua fé. Mas eles também foram encorajados pelo fato de que a esposa do novo rei também era católica, professando sua fé.

James I, que chegou ao trono em 24 de março de 1603, não decepcionou no início, pois aboliu os decretos de Isabel contra os católicos e elevou muitos nobres católicos à alta corte, incluindo um dos mais prestigiados príncipes romanos, o Conde de Northumberland. Mas a paz era temporária, pois o rei estava caluniando os "papistas", e isto enfurecia profundamente a maioria puritana. A oposição dos puritanos fez James recuar e, como seu predecessor, voltar-se contra os católicos no final de 1603.

Em fevereiro de 1604, o rei restaurou a privação de Elizabeth I e se preparou para expulsar o clero, o que levou alguns nobres católicos, desapontados com o monarca, a resistir. Um nobre de Warwickshire, Robert Catesby, tornou-se o mentor da conspiração, que entrou para a história como uma trama de pólvora. Catesby jurou vingança contra o tribunal anglicano devido a sua carreira, que havia sido abalada por sua fé católica, e pelo sofrimento de seu pai preso. Ele concebeu o plano de "mandar para o inferno" os inimigos jurados do catolicismo, liderados pelo rei "herege", explodindo o edifício do parlamento e, após a destruição da elite protestante, restaurar o catolicismo na Inglaterra, onde a então Elizabeth Stuart, de nove anos, é entronizada.

Neste espírito, o chefe dos conspiradores, Robert Catesby, enviou secretamente um de seus homens, Thomas Wintour, ao continente na primavera de 1604. Wintour conquistou Guy Fawkes, que tinha um forte histórico militar e experiência, para não mencionar boas conexões espanholas, com a causa dos conspiradores nas terras baixas alemãs, e voltou para a Inglaterra com ele. Eles estocaram pólvora em uma adega escura e com muito mofo.

"Guy Fawkes,Guy Fawkes, esta era sua intenção

Explodir o rei e o Parlamento"

Guy Fawkes foi soldado desde 1591, lutando como mercenário espanhol nos Países Baixos. Conforme as lembranças contemporâneas, Fawkes era um homem alto, extremamente bem-visto, de boas ações. Ele provou ser um excelente soldado, e no exército espanhol ele subiu à categoria de capitão, por isso não é coincidência que ele representou a perícia militar no grupo de conspiradores. Em maio de 1604, Catesby, Wintour e Fawkes, com dois outros associados, Thomas Percy e John Wright, fizeram o juramento de realizar seu plano.

Como o parlamento já havia sido adiado, eles decidiram executar seu plano de explodir a Câmara dos Lordes na próxima sessão do parlamento, em fevereiro de 1605. Mas em fevereiro, ao contrário das expectativas dos conspiradores, o Parlamento foi cancelado,

porque o Rei, diante da ameaça de uma epidemia de peste, adiou a convocação do Conselho para novembro. Os rebeldes, com a ajuda de Thomas Percy, conseguiram alugar uma adega fora de uso diretamente sob o bloco da Câmara dos Lordes no verão de 1604.

"Três montes de barris de pólvora abaixo

Para derrubar a pobre Inglaterra"

A adega escura, deserta e desprotegida parecia ser o lugar perfeito para esconder os barris de pólvora que seriam usados para explodir o prédio. Guy Fawkes viajou novamente para o continente em maio de 1605 para reunir apoio à causa dos conspiradores. Anteriormente, ele havia estado até mesmo na corte do rei Felipe III da Espanha, onde foi educadamente escutado, mas não recebeu nenhuma ajuda concreta. Fawkes retornou à Inglaterra em agosto de 1605.

Quando inspecionaram a adega com Thomas Wintour no início de setembro, descobriram que parte da pólvora armazenada nos barris havia sido destruída pelo ar úmido da adega. Assim, novos barris de pólvora foram contrabandeados para dentro da sala, deixando um total de 36 barris à espera de serem explodidos. Os conspiradores finalizaram o plano de assassinato em outubro, logo que se tornou certo que James I proferiria seu discurso de abertura ao trono em 5 de novembro. Fawkes se comprometeu a acender o fusível e pular em um barco para escapar pelo rio Tâmisa. Ao mesmo tempo, teria havido uma rebelião e planos para sequestrar a princesa Isabel.

O assassinato cuidadosamente preparado e bem disfarçado poderia ter sido bem-sucedido, mas havia conspiradores que estavam preocupados de que alguns católicos estivessem presentes na reunião da Câmara dos Lordes no dia 5 de novembro. Ainda não se sabe ao certo qual deles escreveu uma carta de advertência anônima ao William Parker, o quarto Barão de Monteagle, em 26 de outubro.

"Senhor, pelo amor que sinto por alguns de seus amigos, eu quero cuidar de seu bem-estar físico. Aconselho, portanto, se sua vida lhe é cara, a encontrar alguma desculpa para se manter fora do Parlamento; pois Deus e o homem se uniram para punir a depravação dos tempos atuais",

disse, entre outras coisas, a carta anônima ao Barão. O autor da carta presumivelmente esperava que o senhor católico mantivesse o aviso em segredo, mas o Barão de Monteagle pediu ao rei uma audiência urgente.

"Pela providencia divina foi capturado

Com uma lanterna apagada e um pavio aceso"

James levou a carta muito a sério, e ordenou imediatamente uma busca no complexo do parlamento, incluindo as adegas abaixo. Guy Fawkes se escondeu na adega no dia 4 de novembro, armado com um fusível e um relógio. O relógio foi dado-lhe por Percy, para ele poder acompanhar o tempo na escuridão da adega, para cronometrar a explosão.

A Guarda Real chegou à adega sob a Câmara dos Lordes alguns minutos após a meia-noite de 5 de novembro de 1605, pois a mesma ainda não havia sido investigada. Eles quebraram a porta, e pela luz das tochas logo descobriram Fawkes escondido atrás das estruturas de madeira, que foi imediatamente capturado, e sob os postes de madeira encontraram 36 barris cheios até a borda com pólvora.

Fawkes se comportou com grande coragem, nunca negando por um momento sequer que queria explodir a Câmara dos Lordes, e até mesmo lamentando que seu plano tivesse falhado. O assassino capturado foi interrogado por membros do Conselho Real Privado, aos quais Fawkes foi muito desafiador, por exemplo, quando perguntado por que ele queria explodir a Câmara dos Lordes, ele lhes disse: "Minha explosão lançará todos vocês, mendigos escoceses, de volta às suas montanhas natais".

"Viva, rapazes!, façam os sinos tocar

Viva, rapazes!, Deus salve o Rei"

Esta coragem determinada conquistou até mesmo a admiração do imperador Tiago I, que disse que Fawkes estava se comportando "como um romano". Mas mesmo esta admiração não impediu o rei de ordenar a tortura de Fawkes, que se recusou a dar os nomes de seus associados. As primeiras torturas não lhe tiraram nada, mas com a intensidade dos demais dias Guy Fawkes finalmente soltou a língua e desistiu de seus companheiros. Os oito acusados na conspiração da pólvora foram levados à corte real em 27 de janeiro de 1606.

O resultado do processo não estava em dúvida, depois que um júri considerou todos os réus culpados de traição, e o presidente do tribunal John Popham os condenou todos à morte. A execução da pena de morte foi considerada particularmente cruel pelos costumes da época: os condenados foram arrastados para o local da execução pública no pátio do Palácio de Westminster, amarrados e puxado por cavalos. Lá, eles foram enforcados um a um, mas antes que pudessem se afogar, o condenado meio-morto foi retirado da forca, seus genitais cortados e incendiados, depois decapitado, estripado e esquartejado.

Guy Fawkes foi deixado por último, tendo assistido à tortura de seus companheiros soldados. Mesmo nesta situação, Fawkes não se negou, pois, quando o carrasco o empurrou para cima da escada, de repente ele se libertou das garras do carrasco, pulou e morreu instantaneamente de um pescoço quebrado.

"Uma migalha de pão para alimentar o Papa.

Uma fatia de queijo para que ele engasgue.

Um caneco de cerveja para fazer descer.

Um feixe de varas para queimá-lo.

Queime-o em um banho de alcatrão.

Queime-o como uma estrela brilhante.

Queimar o seu corpo a partir da cabeça.

Então, vamos dizer que o Velho Papa está morto.

Viva!

Viva!"

Já no dia da execução, os londrinos foram encorajados a acender fogueiras para celebrar a fuga sortuda do monarca. A tentativa fracassada de assassinato foi seguida por uma terrível represália; o tribunal lançou uma caça regular aos católicos, que resultou em muitas vítimas inocentes.

O dia 5 de novembro foi um feriado oficial até 1859, mas na Grã-Bretanha o dia 5 de novembro ainda é conhecido como Guy Fawkes Night ou Guy Fawkes Day.

Para comemorar esse dia estamos vazando documentos e dados de departamentos Americanos, confira:

Link-> https://gofile.io/d/SC67cN

Marcadores

EterSec

EterSec é uma célula Anonymous baseada nas ações coletivas e na diversidade. Na era da informação, não podemos nos isolar, devemos nos unir na construção coletiva de um futuro mais livre.

Great! You've successfully subscribed.
Great! Next, complete checkout for full access.
Welcome back! You've successfully signed in.
Success! Your account is fully activated, you now have access to all content.